Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Queda na inflação faz confiança do consumidor aumentar

postado em 26/08/2008

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

A inflação mais baixa em agosto teve reflexo imediato entre os consumidores e ajudou a impulsionar o Índice de Confiança do Consumidor (ICC). A taxa, a maior em mais de três anos, subiu 6,2% no mês, ante queda de 3,9% em julho. Segundo os técnicos da Fundação Getúlio Vargas (FGV), o bom momento do mercado de trabalho ajudou na recuperação do otimismo. Porém, a inflação elevada nos meses anteriores já modificou o padrão de consumo das famílias e afetou expectativas de crescimento econômico.

O ICC, que teve a série iniciada em 2005, é calculado com base em cinco quesitos da Sondagem das Expectativas do Consumidor e abrange pesquisas em mais 2 mil domicílios, em sete capitais. O coordenador do Núcleo de Pesquisas e Análises Econômicas da FGV, Aloísio Campelo, explicou que a variação mais baixa de preços em agosto conduziu e melhorou a avaliação da economia local.

De julho para agosto, o porcentual de entrevistados que avaliam a situação econômica como boa subiu de 12% para 13,8%. O total de entrevistados que a avaliam como ruim caiu de 51,0% para 40,6%. "Não é um consumidor superotimista o que temos em agosto, mas bem menos pessimista que no mês passado", disse Campelo. Em comparação com julho, houve melhora nas respostas sobre o cenário atual e nas expectativas para o futuro.

Segundo Campelo, embora tenha sido constatada melhora, as intenções de compra ainda estão em patamar mais baixo do que no ano passado. Neste mês, 11% dos pesquisados projetam aumentar as compras de bens duráveis para os próximos meses; em agosto de 2007, esse porcentual era de 15,4%.

A FGV mediu o impacto da alta de preços no consumo das famílias - 79,9% dos entrevistados informaram que a inflação mais alta está afetando seu padrão de consumo. Desses, 35,4% estão procurando diminuir gastos por cautela e 44,5% substituíram produtos por outros mais baratos.

A matéria é de Alessandra Saraiva, publicada no jornal O Estado de S.Paulo, resumida e adaptada pela Equipe AgriPoint.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2020 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade