Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

RS: Após chuva, seca deve voltar o Estado

postado em 17/01/2012

1 comentário
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Após receberem elevados volumes de chuvas na sexta-feira e no sábado, as principais regiões produtoras de soja e milho do Rio Grande do Sul deverão voltar a enfrentar um quadro de escassez hídrica pelo menos até o fim do mês, segundo a Somar Meteorologia.

Autoridades de Rio Grande do Sul e Paraná consideram que a umidade pode ter estancado as perdas. O Rio Grande do Sul já trabalha com a expectativa de perdas de mais de 15% para a soja por conta da seca, enquanto o Paraná estima uma quebra de pelo menos 10% nas lavouras da oleaginosa.

A Somar avalia que as precipitações apenas amenizaram o problema no Rio Grande do Sul, lembrando que não há novas chuvas previstas nos modelos para os próximos dias.

Os produtores do Sul do Brasil, bem como os da Argentina e do Uruguai, sofrem nesta temporada 2011/12 os efeitos do fenômeno climático La Niña, que traz chuvas irregulares e escassas para o Sul do Brasil.

Segundo a meteorologista Márcia Haegely, Paraná e Mato Grosso do Sul terão chuvas mais frequentes, mas os maiores volumes serão registrados no Centro-Oeste nos próximos dias, o que pode dificultar os trabalhos iniciais de colheita de soja.

A matéria é do Valor, resumida e adaptada pela Equipe AgriPoint.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Comentários

PAULO LUIS HEINZMANN

SALVADOR DAS MISSÕES - Rio Grande do Sul - Consultoria/extensão rural
postado em 18/01/2012

Prejuízos ainda indefinidos, mas bem maiores do que os propagados 15 %, são observados aqui na região das Missões do RS, onde as últimas chuvas ocorridas em parte do estado, aqui não ocorreram.

Para se ter uma idéia, já está ocorrendo, por extrema necessidade e desespero, de produtores usarem o que resta de suas lavouras de soja, como "pastagem" para o gado, pois de um lado da cerca está um rebanho faminto, com acentuada perda de peso, e do outro, uma lavoura de soja, com 10 ou 15 cm de altura, já em floração, da qual se espera pouca reação, se as chuvas voltarem a ocorrer.

Lamentável situação!!

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2020 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade