Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

SP: Grupo de Ovinocultura reduz mortalidade de animais

postado em 19/10/2009

1 comentário
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Apenas três meses depois de formado, o Grupo de Ovinocultura da Região de Ribeirão Preto (SP) e a Cooperativa dos Plantadores de Cana do Oeste do Estado de São Paulo (Coopercana) já têm o que comemorar. A mortalidade entre os animais criados pelo grupo caiu e o índice de procriação aumentou. Os criadores já pensam em aumentar seus rebanhos. O Grupo de Ovinocultura é uma iniciativa do Sebrae/SP.

"Antes eu pensava em aumentar o número de matrizes, mas desistia porque me sentia frágil. Agora, com o acompanhamento técnico, já penso em aumentar e os outros criadores do grupo também", afirma a produtora Márcia Mariani Saquy.

O grupo vai promover no dia 20 de novembro um jantar de degustação de ovinos - carne nobre e apreciada em restaurantes e churrascarias - no clube da Coopercana na cidade paulista de Sertãozinho.

Flaviane Tavanti Castilho, analista do Sebrae/SP em Ribeirão Preto, comenta que o grupo foi criado por uma demanda da própria região. Os produtores de cana-de-açúcar possuíam pequenos espaços ociosos em suas propriedades e os ovinos se enquadram bem a eles. Assim, vários produtores começaram a criação. "Percebendo esse movimento, a Coopercana convidou o Sebrae/SP para criar um grupo de criadores e apoiá-los, pois muitos já estavam desanimados pelo alto nível de mortalidade", explica.

Por meio do assessoramento, os produtores passaram a criar cordeiros até os 18 quilos para, em seguida, encaminhá-los para o centro de confinamento em Sertãozinho, construído pela Coopercana, que fica responsável pela engorda e encaminhamento aos frigoríficos. Com isso, o grupo tem um poder maior de negociação.

"Os cordeiros são animais frágeis e pequenos, e um único criador produz poucas quantidades para os frigoríficos se interessarem em buscá-los para o abate. Em comparação, 10 bois equivalem a cerca de 100 cordeiros. Como grupo, temos condições de ser mais atrativos", comemora Márcia Mariani.

Atualmente, o grupo de ovinocultores é constituído por 22 criadores, que se dividem em quatro subgrupos (Marketing, Tecnologia, Parcerias e Comercialização). No total eles possuem 2 mil matrizes de criação. Como parte do assessoramento técnico, além da visita mensal, as propriedades recebem a visita do cordeirinho, uma unidade de apoio do Sebrae/SP, equipado com a melhor tecnologia do mercado, para facilitar a análise dos animais. Os produtores recebem também, uma vez por mês, a visita de um veterinário do Instituto BioSistêmico (IBS), parceiro do Sebrae/SP, para avaliar a criação.

Criadores interessados em participar desse grupo, podem entrar em contato com o Sebrae/SP em Ribeirão Preto, pelo telefone, (16) 3621-4050, e falar com a gestora do projeto Flaviane Tavanti Castilho.

As informações são do SEBRAE, resumidas e adaptadas pela Equipe FarmPoint.

Avalie esse conteúdo: (5 estrelas)

Comentários

CARLOS AUGUSTO GARRIDO DO LAGO

Ananindeua - Pará - Pesquisa/ensino
postado em 19/10/2009

Gostaria muito que esta mensagem chegasse ao SEBRAE/SP em Ribeirão Preto.
Sou um pequeno criador de ovinos e caprinos no município de Irituia, nordeste do estado do Pará, distante 180 km da capital Belém.
Todos os que criam pequenos ruminantes sabem das dificuldades que encontramos para manter a criação, seja ela, pequena, média ou grande. A Cabanha São Pedro tem hoje cerca de 300 animais, e nossa meta era chegar até o final do ano com 800 animais. Já sabemos que não será possível, por uma série de motivos. Uma delas é que estamos num verão insuportável, não chove a aproximadamente a quatro meses na região, já é possível perceber as consequências. Mas não vou contar aqui minhas mazelas e sim parabenizar a iniciativa, por que acredito que somente a união irá resolver alguns setores, como é o que nós estamos envolvidos. É muito difícil manter um ambiente saudável de investimento num governo que não reconhece o nosso mercado, que é uma grande potência, talvez assim, unidos possamos ser vistos.
Caso seja possível associar-me gostaria muito de participar deste grupo.
Um grande abraço à todos.
Prof. Dr. Carlos Garrido
Irituia - Pará

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2022 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade