Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

SP: mercado apresenta melhora mas, falta cordeiro

postado em 02/08/2010

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Durante maio enfrentou-se uma temporada crítica no mercado de carne ovina devido à falta de cordeiro do Uruguai. O mercado nacional sente a falta do produto, principalmente o Estado de São Paulo, já que mais de 50% da carne ovina comercializada no estado era importada. Com toda essa dificuldade, os frigoríficos exploram cada vez mais o centro oeste do país para cumprirem suas metas ou pelo menos não ficarem sem o produto. A compra dos cordeiros está sendo fechada nos estados de MT, MS, MG, PR e GO.

A queda da oferta e a contínua demanda fazem surgir ótimas oportunidades de negócios para os produtores em todo o estado. Nesses dois anos acompanhando o mercado, o índice do cordeiro não verificou preços tão altos. Surpreendentemente tivemos preços mínimos de R$ 3,60/kg PV nas regiões de São Paulo e Araçatuba. Os preços máximos foram R$ 4,50/kg PV e R$ 4,15/kg PV em Campinas e Sorocaba, respectivamente.

A situação deve ser encarada como uma ótima oportunidade, não apenas em relação aos bons preços, mas em relação à conquista do mercado paulista pelo cordeiro nacional. Várias churrascarias e restaurantes enfrentaram uma situação interessante: sentiram falta da carne uruguaia, pois muitos deles utilizavam a carne importada como marketing, sem conhecer a nacional. Com a entrada do produto brasileiro nesses pontos de venda, os próprios consumidores sinalizaram a preferência pelo cordeiro produzido no Brasil. Vale lembrar que os perfis da carne dos cordeiros uruguaio e brasileiro são bem diferentes, principalmente pela idade de abate.

Após esse período alguns atores da cadeia especulavam sobre a estabilização dos preços pelo valor mínimo, mas não foi o ocorrido nas semanas seguintes. Na maioria dos casos foi observada tendência de estabilização dos preços nos valores mais altos praticados, devido a baixa oferta e a demanda com tendência de aumento. No mês de julho foram observadas grandes oscilações. A partir da semana do dia 05/07 o menor preço praticado foi R$3,60/kg vivo ou R$8,00/kg carcaça referente a região de São Paulo. Na mesma semana o preço praticado mais alto foi da região de Bauru a R$4,80/kg vivo. Na semana seguinte (12/07) a região de Sorocaba apresentou variação de 12,17 pontos percentuais em relação ao ultimo preço cotado, ao valor de R$ 10,50/Kg carcaça, já a região de Marília apresentou queda de 9,46 pontos percentuais indo de R$4,00 para R$3,70/kg vivo. Nas demais semanas os preços mantiveram mínima de R$3,70/kg vivo ou R$8,22/kg carcaça e máxima de R$4,84/kg vivo ou R$10,75/kg carcaça. Com a falta das carnes, há dificuldade ainda maior para se encontrar cordeiro, e algumas empresas não conseguem abater animais todas as semanas do mês.

Este quadro deve se manter até o final de agosto, podendo haver maior oferta de cordeiro no período de safra que se inicia em setembro devido à estacionalidade reprodutiva dos animais do Sul e do Uruguai.

Clique na imagem para ampliá-la.

O boletim mensal do indicador de preço do cordeiro paulista é do Centro de Inovação tecnológica e Extensão Universitária da Faculdade de Engenharia de Alimentos e Zootecnia (FZEA) da USP, campus de Pirassununga, adaptado pela Equipe FarmPoint.

Avalie esse conteúdo: (5 estrelas)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2020 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade