Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

SP: produtor rural será remunerado por conservação

postado em 24/06/2009

4 comentários
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Remunerar os produtores rurais pela correta conservação do solo, manutenção da qualidade dos recursos hídricos, entre outros serviços ambientais que beneficiam a sociedade em geral, é o objetivo do "Projeto Produtor de Água". O lançamento oficial aconteceu na semana passada em duas cidades paulistas: Joanópolis e Nazaré Paulista. Essa experiência já é realizada com sucesso no município de Extrema/MG e em Rio Claro/RJ. A expectativa é de que, em breve, o programa será estendido para todo o território paulista.

As microbacias do Ribeirão do Cancã, em Joanópolis, e a do Ribeirão do Moinho,em Nazaré Paulista, não foram escolhidas aleatoriamente. Segundo Alcides Ribeiro de Almeida Júnior, diretor da Coordenadoria de Assistência Técnica Integral (Cati), Regional de Bragança Paulista, esses ribeirões são de grande importância, pois alimentam as represas do Cachoeira e a do Atibainha, que, junto com outras, formam o Sistema Cantareira (responsável por levar água para mais da metade da Grande São Paulo).

O Projeto Produtor de Água é um trabalho realizado pelas Secretarias Estaduais do Meio Ambiente e de Agricultura e Abastecimento, por meio da Coordenadoria de Assistência Técnica Integral (Cati). O programa conta com parceria do Banco Mundial e outras entidades de preservação da natureza. O Projeto Produtor de Água terá o período de três anos, mas a intenção é de que ele se torne permanente.

O produtor rural que aderir ao projeto poderá receber o pagamento de até R$ 125/ha/ano em área de preservação permanente (APP) recuperada, R$ 75/ha/ano em conservação de solo e R$ 125/ha/ano em floresta conservada. A expectativa é estimular técnicas de conservação do solo em 390 hectares, recuperar 208 hectares de APP e conservar 540 hectares de florestas.

As informações são do Diário do Comércio e Indústria/SP, resumidas e adaptadas pela Equipe AgriPoint.

Avalie esse conteúdo: (3 estrelas)

Comentários

Richard James Walter Robertson

Rio Verde de Mato Grosso - Mato Grosso do Sul - Consultoria/extensão rural
postado em 24/06/2009

Nada mais justo.
Além de ser uma tendência em muitos países cujos consumidores, inclusive, se dispõe a pagar mais pelos produtos oriundos de propriedades sustentáveis ecologicamente. Já que o produtor rural é tantas vezes acusado de ser destruidor do meio ambiente, o melhor estímulo para conservação ainda é o financeiro.

Marcello de Moura Campos Filho

Campinas - São Paulo - Produção de leite
postado em 24/06/2009

A grande maioria da população é urbana, e o desmatanento na área rural tem origem no atendimento das necessidades de consumo dessa população. A exigência legal de áreas de preservação permanente e de reserva legal nas propriedades rurais (que não é exigida nas propriedades urbanas) beneficia toda a sociedade e me parece justa compensação pecuniária ao produtor rural por isso. Essa compensação pecuniária deveria ser permanente, e poderá ser importante para incentivar o reflorestamento e a preservação nas margens dos cursos d´água. Minas e São Paulo estão de parabens por implantarem esses projetos pilotos.

Carlos Marcio Guapo

Campo Florido - Minas Gerais - Produção de gado de corte
postado em 24/06/2009

Agora sim , a sociedade começa a arcar com o problema água.
Ser remunerado por áreas de APP , consrvação de solo e reserva é justo.
Mas é preciso muito cuidado para não cairmos numa armadilha.
O governo como gerente da sociedade deveria abater no imposto de renda permanentemente ao produtor que teria estas áreas presevadas.
Agora a conversa é outra, podemos "discutir".
Deve-se parar de agredir o produtor com multas absurdas, prisóes e instabilidade, e partir para uma conversa franca, para que a sociedade tenha a água e o produtor seja remunerado por não poder produzir nestas áreas, que é sua, pagou por ela, pagou impostos dela e agora querem arranca-la a força.
Agora estou disposto a conversar nestes parametros.

Roberto Cunha Freire

Leopoldina - Minas Gerais - Produção de gado de corte
postado em 28/06/2009

Essa medida é importante nao só para nós produtores rurais, mas também para todo o meio ambiente, afinal os maiores poluidores sao os cidadaos que moram nas cidades, a começar pelos esgotos que sao lançados nos rios, lagos, sem qualquer tipo de tratamento, sem falar nos lixoes que sao depoisitados sem qualquer tipo de tratamento. O produtor rural tem sim de ser remunerado pela preservaçao das nascentes, matas etc, ele é o verdadeiro guardiao da biodiversidade e para tal tem que ser remunerado convenientemente.

Viver nas cidades já esta chegando a beira do insuportável, os governos estaduais, municipais e federal tem que se aliarem nessa empreitada, esse é realmente o caminho; nós produtores rurais somos na verdade a soluçao para a preservaçao, muitas pessoas urbanas querem respirar ar puro, beber água sem poluiçao, mas elas têm que reconhecer que nós somos parte dessa soluçao e para tal tem que nos remunerar para que possamos preservar com mais rigor.

Os Governos sao responsáveis por adotarem medidas inibidoras, ou seja, de contençao da imigraçao de pessoas para as cidades, mas para isso tem que adotar medidas que justifiquem elas ficarem no meio rural, essa sim é uma medida eficiente e gera renda para que os produtores nao depredem e conservem suas nascentes, matas, fauna e flora. Parabens ao estado de SP que antecipou no tempo uma medida que sem sombra de dúvida trará resultados satisfatório para nós que habitamos o planeta Terra, nossa nave mae.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2019 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade