Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Tradição em fazer tapetes bordados em lã pode virar patrimônio em MG

postado em 23/09/2013

3 comentários
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

A cidade de Passa Tempo também é conhecida como a “Terra do Tapete Arraiolo”. Isso porque o tapete, tradição passada de geração para geração, já foi uma das principais fontes de renda da cidade. A cultura dos portugueses foi levada em 1977 pelo Padre Irineu Leopoldino de Souza, que saiu de Diamantina. Por ser uma cidade pequena a produção do tapete em Passa Tempo foi uma grande novidade, principalmente porque gerou emprego para várias famílias. Mais tarde o padre teve que deixar a cidade, mas as moradoras Terezinha Geralda de Morais, mais conhecida como "Dona Juju" e Zilda Lara da Silva não deixaram a história do tapete ir junto.

“As pessoas ensinavam umas para outras, até homens faziam os tapetes. Pessoas de cidades vizinhas também aderiram a essa produção, que foi uma grande fonte de renda para nós e até hoje gera renda”, relembrou uma das pioneiras do Tapete Arraiolo, Dona Juju.



O tapete é feito de uma tela chamada juta e lã. A arte de tecer em lã é marca registrada do município. A produção é manual, até os últimos detalhes, o que faz com que demande tempo para a peça ficar pronta. “Tudo é feito à mão, os desenhos e as franjas. Dependendo do desenho e do tamanho o tapete leva um mês ou mais para ficar pronto”, explicou Dona Juju.

As obras de arte podem ser encontradas na Associação das Tapeçarias e Artesanatos de Passa Tempo (ATAPT) que foi criada em 2003 e hoje conta com 14 tapeçarias. Os tapetes também são feitos por encomenda, o cliente pode escolher todos os detalhes. Cada metro quadrado da peça é vendido por cerca de R$ 220. O preço é devido ao material nobre, somando às peculiaridades. Além de ser feito manualmente, parte do material utilizado na produção dos tapetes tem que ser encomendado com um ano de antecedência.

As artesãs contam que, atualmente, está difícil conseguir mão de obra. Segundo a aposentada Maria Sueli Silva que, junto com as cinco irmãs, trabalha com o tapeçaria há mais de 20 anos, a produção do tapete passa por um momento difícil. “A gente tem medo que essa tradição acabe, porque o valor que o tapete é negociado é também muito pequeno. Os revendedores não dão o devido valor. Já tivemos uma época em que não dava nem para esperar o tapete secar antes de entrega-lo para o cliente e hoje a produção está lenta”, contou Maria Sueli.

Para não deixar morrer esta tradição, a Prefeitura Municipal da cidade iniciou um projeto que está em andamento para tornar o Tapete Arraiolo um patrimônio imaterial de Passa Tempo, com destaque para confecção artesanal. “Enquanto o projeto de tombamento de bem imaterial do município não é concluído as viagens e subvenções para a associação serão mantidas e apoiadas pela Prefeitura. Inclusive a realização de feiras exclusivas para o artesanato em nossa cidade, para mantermos o nome de "Terra do Tapete Arraiolo". Nome já falado em várias cidades e inclusive outros países, tendo assim o reconhecimento e merecido prestígio”, explicou o assessor de comunicação da Prefeitura Nilton Augusto.

O Tapete Arraiolo é acima de tudo motivo de orgulho para quem construiu uma história de vida com a arte da tapeçaria. Há 25 anos Sandra de Oliveira Amorim vive da produção do tapete. “Sou separada e criei meus três filhos sozinha só com a renda do tapete. Hoje estão todos bem criados e formados. Uma das minhas filhas me chamou para morar com ela em outra cidade, mas não consigo sair daqui porque não sei ficar sem fazer os tapetes, que são minha vida”, finalizou.

A reportagem é do G1, adaptada pela Equipe FarmPoint.
 

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Comentários

dalva

Campo Grande - Mato Grosso do Sul - Indústria frigorífica
postado em 23/09/2013

Lindo trabalho artesanal, acredito que o projeto trará novas conquistas de grandes oportunidades para desenvolvimento artesanal(tapetes).

PAULO BARBOSA MENDONÇA

Araras - São Paulo - OUTRA
postado em 17/04/2014

Sou  um grande admirador daquele que faz esses tapetes.Tambem faço há mais de 10 anos e fico procurando nas bancax de Revistas modelos de Tapetes para fazer., o que não existe mais. Tenho duas revistas antigas,de modelos de Tapetes. oque já fiz quse tudo. Oque eu acho bonito, faço. Não vendo porque acho que não dão valor.....Faço e dou de presente a meus filhos, ou amigos quando a minha esposa não quer por em nossa casa, pois já está cheio . Gostaria de receber ou comprar modelos destes tapetes para fazer.O Tamanho ideal que gosto de fazer é na base de 1,50 m x 1,00 m mais ou menos.Qualquer coisa podem me enviar mensagens para  pbmpaulo@gmail.com, quando podemos nos contactar e  futuramente adquerir modelos e etc.   Paulo .Barbosa Mendonça

Virginia Mendonça

OUTRA - OUTRO - OUTRA
postado em 13/07/2015

Bom dia !! sou de São  Paulo gostaria de um endereço  para comprar juta já desenhada para eu iniciar esse tipo de trabalho, para bordar , agradeço e Obrigada.
  Parabéns a vcs pelo trabalho admiro.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2020 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade