Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Universidade da Espanha estuda produção ecológica de leite ovino

postado em 06/10/2011

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

A Universidade de León, na Espanha, está estudando as consequências técnicas e econômicas da conversão das propriedades de ovinos em produção ecológica. O estudo tem sido desenvolvido na Faculdade de Veterinária (Departamento de Produção Animal) e de Ciências Econômicas e Empresariais (Departamento de Economia e Estatística), pois aborda tanto aspectos técnicos da produção leiteira, como aspectos econômicos. Os resultados serão usados em uma tese de doutorado dirigida pelos produtores da Universidade de León, Luis Fernando de la Fuente e Cristina HIdalgo, e desenvolvida por Palacios Riocerezo.

A produção ecológica é uma alternativa à produção convencional, vinculada ao respeito ao meio-ambiente e à harmonia das produções com o solo e à produção vegetal do entorno. Atualmente, existe um aumento das produções pecuárias com certificação ecológica na Espanha sendo, nos anos anteriores, esse o país da União Europeia (UE) com mais hectares certificados e maior número de operadores ecológicos.

O estudo consistiu em realizar um monitoramento de duas fazendas de ovinos de leite localizadas na comarca de Sayazo. O trabalho, desenvolvido ao longo de quatro anos, incluiu seu processo de conversão ao regulamento ecológico durante os dois primeiros anos e outros dois anos com a certificação ecológica. O objetivo final era identificar os aspectos técnicos e econômicos da conversão, bem como o estabelecimento de conhecimentos que possam ser estendidos a outras produções pecuárias que se proponham a fazer essa conversão.

As experiências realizadas se dividiram em dois grandes grupos, com o primeiro englobando seis experiências técnicas onde se abordaram as consequências produtivas e sanitárias. O segundo grupo de experiências estudou as consequências econômicas da transformação para produção ecológica das duas fazendas selecionadas.

Um dos aspectos abordados foi a medição da redução do produto como consequência da conversão, observando-se uma diminuição dos partos múltiplos em 9%. Constatou-se, também, uma redução importante na produção de leite, de 11,86 litros por animal em lactação, ainda que se produziu um aumento na qualidade do leite. A supressão da aplicação preventiva de antibióticos, geralmente aplicada ao final da lactação com a introdução de pomadas antibióticas no interior da mama, não produziu uma piora sanitária nos úberes.

Do ponto de vista reprodutivo, conseguiu-se estimular a atividade sexual das ovelhas aumentando os níveis de vitamina E e de minerais, como magnésio, cobalto e selênio. Além disso, desenvolveu-se um novo protocolo para realizar inseminações artificiais sem utilizar hormônios. Conseguiram-se fertilidades por inseminação de 40%, dado similar ao conseguido nos sistemas convencionais.

Estudaram-se tratamentos não convencionais contra problemas de sarna e de parasitas internos. Contra a sarna, experimentaram remédios baseados na homeopatia e na aromaterapia. O tratamento que teve melhor resultado foi a aplicação de azeite essencial de Citronela de Jaba sobre as lesões. Para os problemas parasitários digestivos, utilizou-se um remédio homeopático que obteve melhores resultados.

Durante o período de conversão, as duas fazendas do estudo realizaram investimentos necessários para que as densidades das gaiolas estivessem de acordo com o regulamento e se modificou a origem dos alimentos comprados e produzidos para que fossem, assim como exige a norma, de origem ecológica certificada. Todo esse processo provocou um aumento dos gastos que desencadeou situações diferentes em cada propriedade.

O aumento de preços de venda dos produtos e o ajuste dos gastos, reduzindo os aportes "extra-propriedade" e primando o consumo dos alimentos produzidos internamente, neutralizaram os aumentos dos custos dos alimentos comprados. Os gastos fixos relacionados com as amortizações e a mão-de-obra aumentaram durante o processo de conversão em ambas as fazendas devido aos ajustes de infra-estrutura. Esse fato não pode ser compensado pela evolução dos ganhos e teve uma repercussão direta no benefício total, demonstrando-se que as ajudas não conseguem eliminar a fricção inicial da execução desses processo produtivos.

Assim, a alternativa ecológica exige uma organização de mercados própria que consiga comercializar toda a produção a preços diferenciados e um apoio institucional que acompanhe o processo com respaldo econômico suficiente.

A reportagem é do www.leonoticias.com, traduzida e adaptada pela Equipe FarmPoint.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2020 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade