Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Você está em: Notícias > Mercado

Ruralistas questionam financiadores de ONGs

postado em 24/05/2010

9 comentários
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Fustigados pela campanha de ONGs ambientalistas contra o processo de reforma do Código Florestal Brasileiro, parlamentares da bancada ruralista passaram a adotar a mesma estratégia dessas organizações de questionar financiadores do setor agropecuário no país. Os ruralistas resolveram usar a tática de constranger empresas com relações próximas a ONGs ambientalistas.

O contra-ataque incluiu um pedido, na semana passada, para a suspensão de um protocolo firmado pelo Banco do Brasil com o WWF-Brasil no fim de março. Também foi aprovado relatório parcial de uma "mini CPI" da Comissão de Agricultura para investigar as relações do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama) e o Greenpeace durante uma operação contra pecuaristas e frigoríficos no sul do Pará.

Antes, os ruralistas já tinham aprovado convites aos financiadores da ONG Fundação SOS Mata Atlântica para pressionar os ambientalistas a recuar em sua campanha "Exterminadores do Futuro", criada para brecar reformas no Código Florestal, em vigor desde 1965. Na lista, estão Bradesco, Volkswagen, Coca-Cola, Colgate-Palmolive e American Express. "Estamos tranquilos. Nossos programas estão mantidos e as empresas sabem o que nossa marca significa", diz o diretor da SOS, Mário Mantovani.

A ofensiva sobre o WWF-Brasil começou com a reunião de um grupo de deputados com dois diretores do BB para protestar contra os critérios que levaram à assinatura do compromisso com "uma ONG estrangeira" em detrimento de instituições públicas nacionais, como a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa). A ONG desenvolverá, em parceria com a Fundação Banco do Brasil e a Agência Nacional de Águas (ANA), programas de preservação de mananciais na agricultura e de reciclagem de lixo nas cidades.

A situação é considerada delicada no banco porque os ruralistas têm força, coesão e são parte da bancada governista. A solução encontrada pelo banco foi abrir o convênio a outros parceiros, locais e nacionais, inclusive a Embrapa, nas cinco regiões do país. Consultado pela reportagem, o WWF-Brasil afirmou não ter sido informado pelo BB sobre o caso, preferindo não dar declarações.

Na "mini CPI" instalada na Câmara, os ruralistas miram o Greenpeace. Querem saber se o Ibama e a ONG agiram para quebrar o sigilo de pecuaristas e do frigorífico Bertin, acusado de comprar gado de áreas desmatadas. Um relatório do Greenpeace, batizado "A farra do boi na Amazônia", teria servido de base para a atuação do Ibama no sul do Pará, apontam os ruralistas.

Em defesa do setor, os ruralistas afirmam que as ONGs, sobretudo aquelas com matriz no exterior, têm usado a estratégia de questionar empréstimos de bancos internacionais e agências de fomento com o objetivo de bloquear a expansão do agronegócio no país. Listam como exemplo a oposição de ONGs à concessão de crédito do IFC, braço de financiamento ao setor privado do Banco Mundial, a empreendimentos agrícolas e pecuários na Amazônia. Em 2004, as ONGs bloquearam um empréstimo de US$ 30 milhões ao Grupo André Maggi em razão da pressão liderada por WWF, Amigos da Terra e The Nature Conservancy (TNC).

Os ruralistas também reclamam de uma "pressão indevida" das ONGs para influenciar critérios de financiamento do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) a indústrias frigoríficas e usinas de etanol na Amazônia Legal. Em 2007, as ONGs fizeram forte pressão contra a participação acionária de R$ 1,46 bilhão da BNDESPar no grupo JBS, à época Friboi.

A matéria é de Mauro Zanatta, publicado no Valor Econômico, resumida e adaptada pela Equipe AgriPoint.

Avalie esse conteúdo: (5 estrelas)

Comentários

José Ricardo Skowronek Rezende

São Paulo - São Paulo - Produção de gado de corte
postado em 24/05/2010

O embate entre ruralistas e ambientalistas tem sido muito duro. Agora os ruralistas começam a desenvolver estratégias, sob determinados aspectos, parecidas com as utilizadas por diversas ONGs. Mas o importante seria construir um diálogo entre ambos os lados. E muito pouco se avançou nesta direção.

Mas independente das posições ideológicas de cada lado precisamos rever com urgência o Código Florestal. Não podemos mais aceitar uma política protelatória que criou um verdadeiro caos jurídico ao longo das duas últimas décadas e que esta se constituindo em um entrave cada vez maior para uma das maiores atividades econômicas do pais.

Que cada lado esgote seus últimos argumentos de persuassão e as concessões que esta disposto a fazer em troca de um acordo. Mas que cada lado saiba que ao final de um prazo determinado o tema, com ou sem acordo, será submetido ao congresso e decidido.


Att,

Ricardo Hoefel Rezende

Londrina - Paraná - Empresário, pecuarista
postado em 24/05/2010

Quero deixar uma pergunta para se refletir:

As pessoas estão esquecendo de onde vem a produção de alimentos?

São os europeus, chineses e americanos que produzem alimento em abundância e a custo barato para suprir o mundo, e ainda por cima tem as suas coberturas vegetais intáctas e preservadas, realmente o produtor brasileiro é um vilão , pois as propriedades não possuem reservas. Algum cidadão já teve a simples curiosidade de passar os olhos em imagens de satélite e ver se o Brasil está tão assustadoramente devastado, como é falado aos quatro ventos? entrem no google earth e comparem as áreas abertas e preservadas... e ainda assim o cidadão brasileiro come com fartura....como falo sempre "o bonus aos ambientalistas e ao governo, o ônus ao produtor"

ANTÔNIO CARLOS PIERONI

Cuiabá - Mato Grosso - OUTRA
postado em 24/05/2010

É evidente, que tem que haver diálogo, porem as ONG´S o WWF e Greenpeace, agem de forma desleal, nos batidores, costurando acordos que influenciam, nas decisões das instituições financeiras, prejudicando de forma direta a vida dos produtores rurais, principalmente dos das regiões Centro-oeste e Nortes, que de uma hora pra outra não puderam mais fazer nem reformar seus financiamentos sem licença ambiental, o que não é exigido dos produtores de outras regiões, os frigorificos também não compram carne de uma lista fornecida pelo IBAMA de supostos desmatadores, mesmo antes de julgar ou analisar o processo, isto é ou não desleal?

Iria Maria Davanse Pieroni

Cuiabá - Mato Grosso - Advogada e Produção de Gado de Corte
postado em 24/05/2010

A produção de alimentos (vegetal e animal) deve ser tida como de "interesse social", contudo e sobretudo, vê-se a interferência de terceiros que desconhecem o duro trabalho e as dificuldades encontrada no dia-a-dia para se conseguir produzir bons produtos alimentícios. Além dos juros altíssimos, há a lista do desmatadores, há as interferências internacionais através das ONGS que sequer conseguiram fazer a lição de casa a interferir na vida dos pequenos e médios produtos e, ainda, não podemos esquecer que depende-se do clima.
Ser produtor rural hoje, é uma luta diuturna e de enorme insegurança jurídica, face ao derespeito aos fundamentos e as garantias individuais, como o direito de propriedade e a desvalorização do "homem" em detrimento de um "falso" meio ambiente equlibrado, quando interesse maior é evitar que o Brasil desenvolva-se e torne-se uma potência econômica.
Os legisladores precisam acelerar a reforma do Código Florestal de sorte a garantir que os produtores e empreendedores, dentro de padrões razoáveis de segurança, mitigação e prevenção, possam continuar normalmente com as suas atividades e, não a viver de sobressaltos. Todo dia uma surpresa (desagradável).

Marcos Salazar de Paula

Lima Duarte - Minas Gerais - Produção de leite
postado em 25/05/2010

Enfim estamos aprendendo a revidar de forma mais objetiva e contundente!

Quanto à proposta de dialogar do Sr. José Rezende, me parece ingênua. Fizemos poucos avanços justamente por ficar esperando compreensão...

joao jacintho

Ribeirão Preto - São Paulo - Produção de ovinos
postado em 25/05/2010

o Brasil, se encontra 90 por cento ilegal, se for aplicar as leis ambientais,isto prova a burrice dos legisladores, q nao entendem de alimentos , mas q saibam comer para viver, eu quero e formar fazendas , e encher de gado , .

Flávio Valeriano Teixeira

Leopoldina - Minas Gerais - Consultoria/extensão rural
postado em 26/05/2010

Apoio totalmente a atitude da bancada ruralista. Temos de alguma forma impedir que estas ONG´s que representam o interesse de multinacionais e países desenvolvidos continuem agindo no Brasil de forma escandalosa, e ainda, com o apoio do governo e com verbas que deveriam ser destinadas a instituições nacaionais como a EMBRAPA e Universidades pùblicas, que muitas vezes tem que ficar de pires na mão esperando esmola do governo para o financiamento de pesquisas sérias e de interesse nacional.
Sem contar que muitas dessas ONG´s fazem biopirataria sem que qualquer órgão do governo tome alguma atitude contra isso. O que tem sido roubado de nosso país por biopirataria é incalculável, principalmente, da região de mata atlântica e amazônica. Até quando isso vai continuar? Que a bancada ruralista pelo menos levante essa discussão...
Temos é que produzir alimentos seguros e de forma sustentável para o Brasil e para o mundo, mas de forma que o penalizado produtor rural brasileiro possa além de sobreviver, crescer dentro da atividade...

MARCOS V. LENZI

Santarém - Pará - Produção de leite
postado em 15/06/2010

Tá na hora de darmos um basta, ingleses, holandeses, americanos, travestidos de ecologistas, em Santarém/PA , coração da Amazonia temos mais de 100 ONGs todas com o discurso que a Amazonia é o pulmaõ do mundo, partindo deste principio o mundo inteiro manda aqui. Ficam manipulando dados, tudo o que uma ONGs diz no outro dia vira verdade mesmo não tendo nem uma base cientifica. Poxa temos mais de oitenta por cento do territorio amazonico preservado, isso é destruir. FORA GRINGOS O BRASIL É NOSSO.

Artur Queiroz de Sousa

Cambuquira - Minas Gerais - Produção de café
postado em 19/06/2010

Acho que está na hora de nós brasileiros, começarmos a exigir de países que estão nos precionando através das ONGs, por condições ambientais absurdas, reciprocidade. Deveremos não respeitar patentes destes países, para aqueles em que não tem as mesmas condições a nós impostas. Não deveremos respeitar patentes de paises de que tem bomba atômica, que tem desastre ecológico, que não tem APP de 30 metros dos corregos e riachos, de 100 metros dos rios caudalosos, não tenha 20% de reservas em suas propriedades rurais, enfim, quebraremos as patentes de todos os países do mundo. Voces acham que o Lula teria peito para isso? Claro que não.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2020 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade