Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Agronegócio: instituições debatem desafios

postado em 19/03/2009

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Uma proposta para melhorar a condição do agronegócio no País é a criação do Simples Rural. A informação foi apresentada pela senadora e presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), Kátia Abreu, nesta quarta-feira (18) durante debate sobre os desafios e as oportunidades do agronegócio frente à conjuntura econômica atual. A discussão fez parte do primeiro painel de palestras do Seminário Inovação no Agronegócio, promovido pelo Sebrae, evento que segue até 20 de março em Brasília.

Com o Simples Rural, haveria a substituição de diversos impostos pagos pelo produtor, simplificando a cadeia tributária. "Seria uma forma de desonerar os tributos sobre os alimentos que no Brasil são da ordem de 16,9%. Na média mundial, essa carga tributária não chega a 5%", ressalta. Outro ponto é que o Simples Rural traria adaptações para as micro e pequenas empresas rurais. "O imposto de renda, por exemplo, deveria ser plurianual por conta da questão cíclica da produção no campo", diz.

A senadora também destacou a importância de se trabalhar a gestão da propriedade rural. Segundo ela, se o País não tivesse toda tecnologia existente hoje, como defensivos agrícolas, fertilizantes e maquinários, seriam necessários mais 60 milhões de hectares para se alcançar a produção atual. "No entanto, ainda se busca a eficiência na gestão da propriedade. Toda a eficiência praticada na terra, na produção de grãos e de carne precisa estar também na gestão do negócio. Os empreendedores precisam saber calcular custos, gastos, lucros", destacou.

Os participantes do debate também ressaltaram a importância de o setor vencer desafios diante da crise econômica mundial. Um deles é a falta de crédito para financiar a safra. O vice-presidente de Agronegócio do Banco do Brasil, Luís Carlos Guedes Pinto, destaca que atualmente os recursos do governo usados para financiar a produção são recursos orçamentários e, portanto, limitados. Outra parte dos recursos saía das empresas estrangeiras. "A crise produziu o efeito de redução do crédito que essas empresas, as chamadas tradings, davam à agricultura brasileira na forma de fornecimento de insumos ou compra antecipada da colheita", explica.

Luís Carlos destacou também que o País precisa resolver a questão fundiária. "Isso é fundamental. Neste ano, o Estatuto da Terra fará 45 anos e ainda não avançamos", diz. Ele propôs a criação de uma estratégia nacional para vencer esses desafios, assim como os problemas de barreira sanitária, ambientais, de assistência técnica e de infra-estrutura, para apoiar o crescimento do agronegócio no País.

Para o diretor-executivo da Embrapa, José Geraldo Eugênio de França, o Brasil vai precisar se preparar para atender às tendências que se configuram para os próximos anos. Haverá o aumento da demanda mundial por alimentos, fibras e matérias-primas industriais. O consumidor também demandará mais produtos diferenciados. "O desafio será se tornar competitivo nesse contexto e ainda cuidar da sustentabilidade econômica e social do negócio", diz.

Para o presidente do Sebrae, Paulo Okamotto, o debate vai ajudar a construir uma melhor atuação da Instituição no setor. "Vamos descobrir como fazer com que as inovações cheguem ao agronegócio e, ainda, fazer com que esses produtos inovadores tenham custos reduzidos para conquistar o mercado consumidor", afirmou Okamotto.

As informações são da Agência Sebrae de Notícias, resumidas e adaptadas pela equipe AgriPoint.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2020 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade