Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

ANA: produtores devem ser remunerados por preservação

postado em 21/06/2010

3 comentários
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

O gerente de uso sustentável da água e do solo da Agência Nacional de Águas (ANA), Devanir dos Santos, destacou na última sexta-feira (18) a importância de remunerar os produtores rurais que preservem nascentes e florestas. Segundo ele, os custos da implantação de práticas e manejos sustentáveis não podem ficar restritos ao agricultor, uma vez que os benefícios dessas ações ultrapassam as fronteiras das propriedades.

"Os ganhos não são só dos produtores e, portanto, é justo a distribuição de custos entre eles e toda a sociedade", afirmou Santos, durante o 4º Seminário de Desenvolvimento Sustentável da Bacia do Alto Tocantins e o 2º Seminário de Agroextrativismo no Cerrado. O tema central do debates, realizados na Câmara, é "O Cerrado e a Água".

Santos defendeu a importância do Programa Produtor de Água, desenvolvido pela ANA, que prevê a compensação financeira de produtores rurais voluntários pela prestação de serviços ambientais. Os pagamentos, explicou ele, são proporcionais à redução da erosão do solo e à ampliação da área florestada nas propriedades.

"Iniciativas como o Programa Produtor de Água seguem uma tendência mundial de transformar os agricultores em agentes de preservação ambiental", disse o dirigente, ao citar o caso de Nova Iorque (EUA), que há 20 anos realiza o Pagamento por Serviços Ambientais (PSA) a produtores rurais como forma de garantir o abastecimento de água da cidade.

Para o presidente da Agência Brasileira de Meio Ambiente e Tecnologia da Informação (Ecodata), Donizete Tokarski, a transformação de agricultores em agentes de preservação pode contribuir ainda para que eles descubram as potencialidades de práticas agroextrativistas sustentáveis. "É inconcebível pensar em produtores que passam fome embaixo de um pé de buriti, por não saber aproveitar as potencialidades do fruto típico do Cerrado. E isso vale para mangaba, baru, pequi e outros", afirmou Tokarski.

Ele lembrou que a Ecodata, em parceria com o Ministério do Trabalho e Emprego, tem atuado na capacitação de trabalhadores para explorar o potencial econômico do Cerrado. Entre os produtos desenvolvidos estão geleias, sorvetes, licores, paçocas, bolos e doces.

A matéria é de Murilo Souza, publicada na Agência Câmara, resumida e adaptada pela Equipe AgriPoint.

Avalie esse conteúdo: (5 estrelas)

Comentários

Alvaro Cardoso Fernandes de Pádua

Presidente Prudente - São Paulo - Produção de gado de corte
postado em 21/06/2010

A matéria é importante pois nos convida a refletir justamente em um momento onde estamos reformulando nosso Código Florestal. Sem sombra de dúvida que quando o assunto é Meio Ambiente deve ser tratado como sendo uma responsabilidde de todos ja que os benefícios também os são.

Sendo assim é inadmissível impor ao proprietário de terras no estados do Sudeste, Sul e outros que já não possuem suas florestas a obrigação de recompo-las ao seus próprios curstos. Devemos considerar esta obrigação como um Passivo não só do proprietário mas de todos, até por que os benefícios do desenvolvimento atingiram todos da sociedade e não podendo ser aceito que este passivo recaia unicamente aos proprietário.

Um modelo inteligente de recompor este passivo é o pagamento por serviços ambientais. Dessa forma tanto os ambientalistas como os proprietários teram oportunidade de lutar pelo meio ambiente. Agora, da forma que os ambientalistas propoem chama-se "cortesia com chapéu alheio", aí é fácil reinvindicar sobre o meio ambiente.

Então vamos lá que seja divulgado este projeto de produtor de águas. Quem saiu na frente foi Extrema de MInas com um projeto maravilhoso que está dando certo e deve ser copiado pelas demais prefeituras.

Quero propor ao Beef Point a divulgação deste projeto lá de Extrema tendo tendo em vista que é uma alternativa para aqueles proprietários cujas terras tem muita água ou Área de Preservação Permanente.

leni candido da cruz

Ceilandia - Distrito Federal - Produção de leite
postado em 21/06/2010

Concordo com o Sr. Álvaro que toda a sociedade deve pagar pelos serviços ambientais uma vez que é a maior beneficiada. Mas, quando começarão a implantar esse projeto a nivel de Brasil? Quando aumentar a poluição e as águas se tornarem ainda mais escassas?

DARLANI PORCARO

Muriaé - Minas Gerais - Produção de leite
postado em 22/06/2010

Nos EUA , o globo rural passou uma matéria sobre a preservação das nascentes , que levam água para Nova Yorque , sendo uma água muito limpa , pois chegaram á conclusão que é melhor investir nos proprietários das nascente ou das terras , pois fica mais barato , e a natureza agradece melhor, do que fazer um tratamento quimico com ela dentro da cidade. Se realmente fizermos um trabalho nesse sentido , aquí no Brasil , juntamente com os profissionais da Emater , Ruralminas e o Governo dando o suporte financeiro, em vez de enfiar dinheiro em Sem Terra ou outras coisas sem retorno, seria um benefício não só aos produtores como todo o sistema ambiental.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2019 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade