Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

BA pode ser competitiva na ovinocultura em 5 anos

postado em 09/02/2011

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Apesar de a produção de carne de cordeiro de qualidade na Bahia ainda ser incipiente, especialistas acreditam que dentro de cinco anos o Estado se tornará competitivo no mercado nacional. "Estamos perdendo tempo pela falta de conhecimento genético, mas vamos chegar lá dentro desse prazo", comenta o veterinário e criador Hélcio Souza, embora reconhecendo que, normalmente, se alcançaria esse resultado em um ano.

"Mesmo assim, hoje já temos muito mais conhecimento que há cinco ou 10 anos", diz. A deficiência na produção tem reflexo, ainda, no desempenho dos frigoríficos baianos. A Bahia possui cinco que vendem este tipo de carne. "Desses, quatro estão com dificuldade de abastecimento", afirma Souza.

O veterinário acredita que isso se deve ao "descompromisso" da produção local. "Este sistema está totalmente dependente da chuva. Se não chove, não tem pasto e os animais não engordam", explica. Outro problema na cadeia produtiva, diz, é o abate clandestino. "Noventa e oito por cento do abate de ovino no Nordeste é ilegal", estima Souza.

Algumas iniciativas já surgem no sentido de melhorar a qualidade da carne baiana. O frigorífico Baby Bode, de Feira de Santana, por exemplo, firmou parceria com 70 criadores de Manoel Vitorino, município a 130 km de Vitória da Conquista, para a melhoria da produção das carnes de cabrito e cordeiro. "Os parceiros entram com a propriedade, o rebanho, os insumos agrícolas e a mão-de-obra familiar. O frigorífico fornece reprodutores de alta linhagem Dorper e Boer, além de assistência técnica, através do convênio com o Senar-Sebrae/Idan", diz o gerente do Projeto Riocon/Frigorífico Baby Bode, Yuri Lyra.

Na opinião de Lyra, o mercado está aquecido. "O preço oferecido pela carne de cordeiro em Salvador já está muito próximo do preço de São Paulo", afirma. O criador José Ranulfo Guimarães completa. "Para vender para a Bahia, teriam que pagar o mesmo que São Paulo já está pagando", ressalta Guimarães.

As informações são da Seagri, resumidas e adaptadas pela Equipe FarmPoint.

Avalie esse conteúdo: (5 estrelas)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2019 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade