Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Hélio de Almeida: "Os produtores precisam de assistência e a indústria precisa de regulamentação de preços"

postado em 14/06/2011

2 comentários
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

O doutorando da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnica (FMVZ) da Unesp de Botucatu, Hélio de Almeida Ricardo, enviou um comentário ao artigo "Qual é o elo da cadeia produtiva ovina que atualmente demanda maior atenção". Abaixo leia a carta na íntegra:

"Acredito em primeiro lugar que os elos da cadeia estão soltos, isolados. Uma das razões para isso é a falta de comprometimento dos governos com a implantação de políticas públicas que proporcionem a união dos setores. Os produtores precisam de assistência, a indústria precisa de regulamentação de preços (preço mínimo), de um sistema oficial de classificação de carcaças e o consumidor precisa "conhecer" melhor a carne ovina.

Os americanos contam com um sistema padronizado de identificação animal e existe uma estação experimental onde várias raças de ovinos com aptidão para produção de carne são testadas e provadas, onde os resultados são repassados para o setor produtivo. Além disso, o sistema americano de classificação de carcaças também é utilizado para orientar os produtores.

Na Nova Zelândia, 48% do rebanho é constituído por apenas uma raça, proporcionando maior padronização dos animais. A União Europeia conta com um sistema de classificação de carcaças que abrange várias classes de peso, diferenciando bem carcaças leves e pesadas (outros sistemas também levam em conta a separação por classes de peso).

Na Austrália as pesquisas com relação às características qualitativas da carne ovina são feitas diretamente com os consumidores, chegando ao ponto de orientar o preparo da carne de acordo com a idade do animal, cordeiro, borrego ou adulto.

Já presenciei as mesmas falhas em uma propriedade com 3 ha e com mais de 1.000 ha, já observei falhas da indústria na produção de cortes e a população ainda consome "carne de carneiro".

Enfim, acredito que todos os elos precisam se fortalecer conjuntamente, para que o setor possa continuar a crescer".

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Comentários

Nei Antonio Kukla

União da Vitória - Paraná - Consultoria/extensão rural
postado em 14/06/2011

Realmente é difícil apontar um só elo em que a cadeia precisa mudar. Acho que muito já foi feito, principalmente no sentido em que os produtores começaram a acordar para o mercado existente, porém, infelizmente ainda estão na mão da manipulação de epreços pela indústria, isto denuncia a falta de organização ainda persistente no setor e, presisamos muito de assistência técnica nas propriedades. Há poucos técnicos que se interessem pela cadeia produtiva e, pouca iniciativa pública no setor.

Luciano Piovesan Leme

Barbacena - Minas Gerais - OUTRA
postado em 15/06/2011

Prezado Hélio,
De fato tocou na ferida: a quem interessa o "status quo" do setor atualmente?
A organização da cadeia, como visão de cadeia e sua regulamentação é primordial para o sucesso da atividade. Devemos deixar de lado "as paixões" de raças, modismos e outros e focar no que interessa: produção de carne, com produtor eficaz e eficiente. Esta aí um tema para que o FarmPoint ou outra entidade possa organizar um grande debate nacional e termos uma "Carta da Cadeia Ovino-caprinocultura" com diretrizes, metas, prazos e divisão de tarefas e responsabilidades.
Hoje temos ações espalhadas, que não se comunicam, com desperdício dos parcos recursos disponíveis, sem coordenação de rumos. É preciso dar um norte, um horizonte aos trabalhos. Com a palavra a ARCO, ASPACO, ACCOMIG, MAPA. Quem se habilita?

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2019 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade