Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Leitor comenta sobre a importância do espaço para os ovinos

postado em 11/01/2012

8 comentários
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

O produtor de Alegrete/RS, Eduardo Piccoli Machado, enviou uma carta para o comentário de um outro leitor do FarmPoint na notícia: "Leitor comenta sobre profissionalismo e iniciativas na ovinocaprinocultura brasileira "

"Este final de semana foi muito importante para mim, no sentido de alguns conceitos de criação. Tive de concordar com teorias de um empregado que não tem o segundo grau completo, mas conhece a atividade bem mais do que eu. Tinha um empregado que dizia que minhas ovelhas precisavam de mais campo, mais espaço. Do alto de todas as teorias que conheço, escutava desconfiado este conselho. Por quê?

Neste final de semana, estava em Termas de Arapey. Complexo termal Uruguayo, com hospedagem de 3 a 5 estrelas. Estava a beira de uma piscina conversando com uruguaios e argentinos, pessoas do campo e produtores rurais do Mercosul. Pasmei quando um argentino falava da maravilha do cordeiro da Patagônia. Do alto dos meus parcos conhecimentos lhe abordei e disse que havia mais marketing que qualidade, já que a raça predominante é a Merino Australiano, que produz muita lã e pouca carne.

Então escuto daquele argentino a mesma teoria que escutei do meu empregado. Ovelha é um animal que tem que caminhar, pois isso faz com que diminua a incidência de verminose e desenvolva a musculatura. Ele ainda afirmava que o cordeiro patagão tinha excelente rendimento de carne por ser criado em áreas muito grandes.

Sou advogado. Ovelheiro por paixão (com profissionalismo), mas deixo para os colegas e principalmente os técnicos, que me esclareçam estas afirmativas (como se diz no direito). Aplico os melhores vermífugos no meu rebanho. Alterno princípios ativos. Anualmente lhes dou um modificador orgânico. Faço monta controlada e estou sempre na média da produtividade. Comecei a acreditar realmente que ovelha necessita de espaço. Deixo este debate para os colegas com formação técnica, pois vejo o pragmatismo vencendo a acadêmia.

Saudações ovelheiras. Como diz meu amigo Ivan Saul".


Qual é a sua opinião sobre este assunto? Participe deixando o seu comentário! O FarmPoint desde já agradece a sua participação!

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Comentários

RICARDO MEDEIROS

Natal - Rio Grande do Norte - Produção de ovinos de corte
postado em 11/01/2012

Não so concordo com esta afirmativa, como afirmo que não so os ovinos mais principalmente os caprinos.
De tudo que estudei e do muito que aprendi na lida do dia a dia o que mais me impressiona e a mão do homem querendo modificar as formas de criação de caprinos e ovinos. Nenhuma tecnologia de que conheço é mais importante do que deixar os animais a vontade, pastando e se reservado o direito de comer, beber e principalmente descansar (ruminar) onde quiserem.
devemos antes de tudo respeitar o animal, deixar que o mesmo decida sobre o que é melhor para ele em termos de conforto.
Quando vc quiser conhecer um otimo criador de pequenos ruminantes pergunte pela forma como ele cria seus animais.
Caso ele tenha sistema de criação altamente tecnificado(desconfie do mesmo) ele esta criando um animal totalmente fora do parametros de uma criação organica e saudavel.
Já vejo comentarios de grandes criadores Sul Africanos da forma que criamos no Brasil(devo admitir que guardadas as devidas proporções eles estão corretos.
saidações a todos e espero que minhas palavras sirvão para uma reflexão, muitos tem que deixar de tentar inventar a roda.

Diogo Peixoto

Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Produção de ovinos
postado em 11/01/2012

Sem duvida alguma o espaço é importante na criação de um ovino, assim como na criação de um caprino, ou de um bovino ou até mesmo na criação de um suino.
Para o animal, ficar livre em um campo com muitos hectares disponivel é o ideal, mas sabemos também que são poucos os produtores e criadores com condições de manter seus animais nessas condições, então temos que tomar cuidado em afirmar que devemos desconfiar dos criadores que utilizam sistemas de criações altamente tecnificados, pois muitos criadores com pequenas propriedades, em um sistema intensivo, criam seus animais em bom estado e saudaveis.
Então a grande verdade é que não se trata de uma "receita de bolo", que o sistema "X" de criação é o correto ou é mellhor que o sistema "Y", cada propriedade com sua realidade.

LAZARO JOSE DA SILVA

Extrema de Rôndonia - Rondônia - Produtor Rural
postado em 11/01/2012

Meus caros criadores, Eduardo Picolli e Ricardo Medeiros, voces estão cobertos de razão, produzimos ovinos aqui na Amazonia desde 2007, ja constatamos que quando os carneiros e ovelhas acompanham o gado para pastagens mais longe, eles engor-
dam mais, uma particularidade, como o ovino não gosta de pasto alto, o gado faz isto
por ele, deixa na altura (sob o cotrole do criador) ai os bichos caem em cima, se andar
faz bem para nós, para eles não é diferente. É isto mesmo, a roda já foi inventada ha muito tempo, só nos falta enxergar isto. Abraços a todos, parabéns e continem contribuido com este site, ele é nossa ferramente de divulgação...

RICARDO MEDEIROS

Natal - Rio Grande do Norte - Produção de ovinos de corte
postado em 12/01/2012

Na verdade quando falo em tomar cuidado é alertando os criadores que ao pensar em entrar na atividade querem copiar formas de criação tecnificadas, nada se compara a criar os animais de uma forma livre, de preferencia com suas crias acompanhando as mães ao pasto.
Digamos criar levando em consideração ao maximo possivel a forma que estes animais costumavam se reproduzir na natureza.
saudações

Rogerio Jaworski dos Santos

Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Consultoria/extensão rural
postado em 12/01/2012

Recomendo a leitura do material produzido Grupo de Ecologia do Pastejo do Departamento de Plantas Forrageiras da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Existe um excelente material técnico sobre produção de ovinos produzido por esta instituição. Também existe uma publicação do SENAR/RS, que trata da ovinocultura, e seria de grande valia para os produtores de ovinos do RS. Para quem não quiser ler, pode tentar um contato com os professores envolvidos nos projetos de ovinos da Faculdade de Agronomia da UFRGS ou com o SEBRAE/RS que também tem trabalhos na cadeia da ovinocultura.
Saudações.

luiz antonio raymundo

Canela - Rio Grande do Sul - OUTRA
postado em 13/01/2012

Faço minhas as palavras do Diogo Peixoto.  Para quem cria extensivamente a  lotação (nº de animais)  deve ser adequada ao espaço (pasto) disponivel.
Lembrando: Anzol pequeno, peixe pequeno. Anzol grande, peixe grande.
Abraços

Ivan Saul

São José dos Pinhais - Paraná - Produção de ovinos
postado em 06/03/2012

Estimado amigo Piccoli e demais colegas de FarmPoint.

Respondendo ao desafio vou defender a 'ciência nacional' com a seguinte teoria:

Nós da América Latina em geral, começamos na criação de ovelhas com rebanhos provenientes, predominantemente, da África e da Península Ibérica com muito sangue bérbere/africano, característica comum às raças mediterrâneas. São ovinos leves com capacidade de caminhar longas distâncias em terrenos difíceis com baixa disponibilidade nutricional, das vastidões arenosas às montanhas pedregosas desde a África até o sul da Europa. No Cone Sul em particular, os ovinos introduzidos tinham origem naquelas ovelhas Ibéricas e as que melhor se adaptaram foram/são as sobreviventes que deram origem à quase totalidade do rebanho atual. Quase pois devemos considerar as importações de algumas fêmeas de diversas raças modernas, ocorridas no século passado, formadoras dos plantéis de várias cabanhas que produziram carneiros largamente utilizados em cruzamentos absorventes sobre aquelas "ovelhas crioulas" de origem iberobérbere.

Enfim, com esta introdução, o que eu quero dizer é que, lá nas suas origens, nossas matrizes compartilham esse berço no deserto, assim sendo, quando nós introduzimos em nossos rebanhos os melhores carneiros importados Ideal ou Hampshire Down (puxando a brasa) estamos diluindo seu precioso DNA, e o nosso suado dinheirinho, naquelas magricelas perdendo a lã que vieram da África, como todos nós viemos, aliás.

O que prova esta afirmativa científica? O DNA MITOCONDRIAL

Explico, muito resumidamente para os leigos entenderem, diferentemente daquele outro - que está nos cromossomos, no núcleo das células - utilizado nos testes de paternidade (em que 50% da coisa vem do pai e os outros 50% da mãe), o DNA Mitocondrial tem origem exclusivamente materna pois é encontrado nas mitocôndrias (organelas responsáveis pela produção de energia) que se localizam no citoplasma das células, inclusive do óvulo mas não na cabeça do espermatozóide. Deixando de lado toda aquela coisa de marcadores moleculares para maciez, área de olho de lombo, etc... que estão relacionados com o DNA cromossômico, al fin y al cabo, quem determina o grau de eficiência com que as células musculares utilizam energia e, principalmente, neste caso - uma vez que mais de metade do DNA mitocondrial se relaciona à codificação da síntese proteica - a eficiência e o tipo de proteína que os ribossomos produzem (ribossomos são organelas responsáveis pela montagem das moléculas de proteína que as células necessitam). As proteínas presentes nas células musculares, que são produzidas mediante a solicitação do exercício físico, dependem daquele casco original de ovelhas caminhadeiras. Como toda essa conversa de proteína e células musculares quer dizer carne em língua de gente, acho que basta de fisiologia.

<continua>

Ivan Saul

São José dos Pinhais - Paraná - Produção de ovinos
postado em 06/03/2012

<continuação>

Da observação e da prática campeira se pode chegar a mesma conclusão, a ovelha precisa de espaço pois, como todos os herbívoros, ovelha pasta caminhando. A National Geographic e o Discovery diriam: é um atavismo, fugir permanentemente dos predadores; eu digo: é esperança, na próxima moita o pasto pode ser mais gostoso, a mutuca (Tabanideos) voa e vai pousar na que vem atrás, enfim, pra frente é que se anda e não em círculos dentro de um piquetinho que perde qualidades organolépticas e nutritivas a cada volta. Ademais de manter-se o rebanho em ótima condição sanitária por que dificilmente as fontes de recontaminação infecciosas e parasitárias ainda existirão quando o rebanho volte à determinada área.

Economizei no texto por razões de espaço, a versão com a introdução completa e a resposta ao argentino, pode ser vista no meu blog:
[ http://ivansaul.blogspot.com/2012/03/importancia-do-espaco-para-os-ovinos-el.html ].

Abraço à todos.

Saudações ovelheiras!

Ivan Saul D.V.M. M.Sc.Vet. - Granja Po'A Porã, 06/mar/2012.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2021 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade