Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Para especialistas, Brasil continuará sendo o "celeiro do mundo"

postado em 18/11/2011

3 comentários
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

A população mundial deverá crescer 30% até 2050 e pular dos atuais sete bilhões para nove bilhões de habitantes. O crescimento populacional ocorrerá em paralelo à crescente urbanização dos países emergentes. Em 2020, pela primeira vez na história do planeta, a população nas cidades deve se igualar à do campo. A migração trará novos hábitos alimentares, como o aumento do consumo de proteínas e alimentos processados.

Para superar esses desafios, o Brasil terá papel relevante no cenário agrícola mundial, o que criará oportunidades tanto para pequenos como para grandes agricultores. A opinião é de especialistas que participaram nesta quinta-feira do painel "Segurança Alimentar e Demandas por Alimentos", durante o Fórum Sebrae de Conhecimento, que ocorre até amanhã em Brasília.

Até 2050, a demanda por carne no mundo deve dobrar, e crescerão as pressões por aumento do uso de biocombustíveis, como solução ambiental para redução da emissão de gases de efeito estufa. "E nesse contexto devem ser adicionados também a escassez de água no futuro, as mudanças climáticas e a degradação de solo", disse Helder Muteia, representante da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) no Brasil. As mudanças climáticas podem provocar alterações no ciclo de chuvas, o que pode influenciar plantios de algumas culturas. "Pode ser que alguma cultura da Amazônia ganhe espaço, por exemplo, no mundo", afirmou Muteia.

Para o diretor de novos negócios da Syngenta, Renato Seraphim, o desafio de alimentar a crescente população mundial terá de ser resolvido pelo aumento de área agriculturável e pela produtividade. O Brasil tem espaço para ganhar nesse cenário, o que abre oportunidades para pequenos e grandes agricultores.

A América Latina ainda detém 41% da área agriculturável no mundo - 90% estão no Brasil. Além disso, o país tem hoje 190 milhões de hectares destinados à pecuária, enquanto possui um rebanho de pouco mais de 170 milhões de cabeças de gado, o que dá quase uma cabeça por hectare. "Essa relação pode ser quadruplicada ou quintuplicada com tecnologia, o que abre mais espaço para produtividade, enquanto a eventual transformação de área de pastagem para outras culturas pode criar negócios para pequenos e grandes agricultores", disse Seraphim.

Para a pesquisadora Lucia Yuyama, do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa), a Amazônia tem várias culturas que podem ser mais exploradas nos próximos anos, como a aquicultura. O consumo de pescados no Brasil ainda está abaixo dos 16 quilos per capita, média mundial, e poderia ser uma forma de ampliar a dieta do brasileiro dos próximos anos, sem pressões sobre o meio ambiente.

A reportagem é do Valor Econômico, adaptada pela Equipe Agripoint.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Comentários

Nagato Nakashima

Candeias do Jamari - Rondônia - Consultoria/extensão rural
postado em 18/11/2011

Brasil é um grande celeiro que poderá contribuir no abastecimento das necessidades mundiais, porém para que ninguém coloque dúvida no nosso produto é preciso um serviço de assistência técnica mais efetivo e que ônus não seja de quem produz.

Reinaldo Foresti Junior

Campanha - Minas Gerais - Produção de café
postado em 20/11/2011

Considero, de fundamental importância para o nosso país com destaque para os setores envolvidos em particular as classes produtoras, o reconhecimento merecido com a afirmação positiva e realista dos renomados especialistas, pesquisadores e Instituto acima referidos: Brasil continuará sendo o celeiro do mundo.

Nesta conjuntura atual de crises sistêmicas, ocasionadas por fatores previsíveis, mas não observados, por sedimentos importantes da economia mundial e agora atormentados pelos reclamos da população que pede mudanças para o presente e futuro de políticas econômicas, financeiras e sociais e de políticos, parabenizo o jornal Valor Econômico pela transparente e otimista reportagem, e a EquipeAgripoint que adaptou para a nossa leitura.

adilson de paula rezende

Lambari - Minas Gerais - Consultoria/extensão rural
postado em 15/12/2011

Parabenizo o/a jornalista que escreveu esta reportagem e a equipe do Agripoint por adaptá-la a este meio de comunicação mais direcionado ao público do setor agropecuário.

Vejo com muita esperança esta palavra CELEIRO, pois a produção de alimentos é indispensável para a alimentação destes novos consumidores e dos atuais, porém o que mais me preocupa é a postura adotada por nossos dirigentes(presidenta, senadores, deputados e políticos em geral) que ainda não enchergaram que o Brasil necessita com a máxima urgência de adotar uma política voltada para estruturar as exportações como aumentar rapidamente as estruturas de portos, pois este canal esta cada vez mais congestionado.

Aumentando assim em milhões de dólares o custo dos alimentos e prejudicando desta forma os produtores  e os consumidores destes alimentos tão necessários ao desenvolvimento populacional do Brasil e do mundo.

Mais tem pessoas que estão ganhando muitos dólares com a atual situação(proprietários de navios cargueiros), pois quanto mais tempo o navio fica parado maior é o faturamento.

E quem perde são os produtores(exportadores)que deixam de ganhar mais, e muitas vezes deixam de sere competitivos nas suas atividades.

Vamos unir e fazer algo diferente para que este problema seja resolvido o mais rápido possível,pois assim nossos produtos irão chegar mais barato e mais rápido aos consumidores.

Vamos trabalhar juntos para diminuir o custo Brasil, só assim tornaremos um CELEIRO mundial.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Copyright © 2000 - 2019 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade