Fechar
Receba nossa newsletter

É só se cadastrar! Você recebe em primeira mão os links para todo o conteúdo publicado, além de outras novidades, diretamente em seu e-mail. E é de graça.

Paraíba é a pioneira do Nordeste na produção orgânica de ovinos

postado em 27/10/2011

Comente!!!
Aumentar tamanho do texto Diminuir tamanho do texto Imprimir conteúdo da página

 

Nos últimos anos os produtos orgânicos vêm ganhando espaço nos mercados interno e externo pela mudança nos hábitos alimentares onde a procura por alimentos saudáveis vem crescendo a cada dia. Já No Brasil, quando falamos em orgânicos associamos diretamente a produção de frutas, verduras e leguminosas, esquecendo que a produção de leite, derivados e carne também pode seguir a mesma filosofia.

Localizada no Município de Santa Terezinha, próximo a cidade de Patos, a Fazenda Tamanduá há dois anos vem investindo na produção orgânica de ovinos. Com uma produção 100% sustentável o negócio é pioneiro no segmento na Região Nordeste, colocando a Paraíba em destaque pela inovação. A Fazenda ainda está em sistema de organização da cadeia e em breve pretende estruturar a comercialização do produto nos mercados do país.

Segundo Alan Glaydoon, médico veterinário responsável pela Fazenda Tamanduá, o processo de produção orgânica segue os requisitos das normas nacionais sem o uso de qualquer tipo de químicos, seja antibióticos ou hormônios, nos lotes de animais cultivados. "Nesse tipo de manejo o bem-estar animal vem em primeiro lugar e sempre buscamos o menor impacto ambiental possível", reforçou.

As ovelhas da propriedade alimentam-se do pasto natural onde em associação são cultivados pés de romã. "Nos pastos realizamos um sistema de descanso, utilizamos cercados móveis, energia solar para a irrigação e com essa alimentação natural e regrada evitamos as temidas verminoses e temos um animal extremamente saudável", explicou Glaydoon.

A Fazenda Tamanduá hoje já conseguiu estruturar o esquema de padronização dos cordeiros para corte. "São encaminhados animais com 120 dias de vida e que possuem 30 kg, isso rende para o comércio 15 kg de carne por animal e peças que rendem cortes especiais, que em animais mais velhos não é possível", explicou o veterinário.

Segundo o gestor do Projeto de Ovinocaprinocultura Sustentável do Sebrae Paraíba, Antônio Felinto, a carne orgânica possui sabor, aspectos nutricionais e maciez bem característica justamente pelos animais terem um tratamento diferenciado durante o período de vida. A carne se desfaz com maior facilidade ao corte, ao contrário da carne convencional, a qual mastigamos muito mais para digeri-la. O aroma também é outro aspecto sensorial diferenciado. A produção orgânica é auditada, regrada e garantida pela WWF-Brasil, uma das maiores ONGs de proteção à natureza e aos animais do mundo que apoia projetos de pecuária orgânica no Brasil.

O FarmPoint pergunta: qual é a sua opinião sobre a produção de alimentos orgânicos? Participe deixando um comentário no box abaixo!

As informações são da Agência SEBRAE de Notícias da Paraíba, adaptadas pela Equipe FarmPoint.

Avalie esse conteúdo: (e seja o primeiro a avaliar!)

Envie seu comentário:

3000 caracteres restantes


Enviar comentário
Todos os comentários são moderados pela equipe FarmPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

Quer receber os próximos comentários desse artigo em seu e-mail?

Receber os próximos comentários em meu e-mail

Copyright © 2000 - 2020 AgriPoint - Serviços de Informação para o Agronegócio. - Todos os direitos reservados

O conteúdo deste site não pode ser copiado, reproduzido ou transmitido sem o consentimento expresso da AgriPoint.

Consulte nossa Política de privacidade